Destaque

RECADO PARA MULHERES INSEGURAS


Dia desses fui dormir pensando no quanto tenho medo de perder a pessoa que amo. De tanto criar roteiros catastróficos, o sono acabou me pegando e, ao me levantar, daquele enredo noturno regado a lágrimas juvenis restou apenas um pensamento: não posso evitar a perda, mas posso evitar o dano. Não adianta ficar imaginando o que posso ou não fazer pra evitar o abandono. Não posso secar o caminho das lágrimas. Não preciso ter certeza de que nunca serei largada. Ou traída. Ou rejeitada. O amor não tem roteiro e, se tivesse, seria como os capítulos finais das novelas: surpreendentes e inimagináveis. Após essa reflexão, constatei a coisa mais madura que o medo já me permitiu concluir: certezas não alteram os fatos porque, assim como nós, elas também mudam. 

Penso que a falta de controle causada pelo amor faz com que muitas pessoas deixem de se relacionar. Algumas até se arriscam, mas não se entregam por completo. Gostar dói, e amar passa a ser a última coisa desejada quando se constata isso. Perdi as contas de quantas vezes pensei que seria pra sempre. Mulher tem um negócio engraçado, basta uma curtida numa foto mais antiga pra sair dizendo: “dessa vez é diferente, eu tô sentindo isso!”. Apesar de não faltar fé (e likes), nunca é. E isso só passa a ser engraçado quando entendemos que não somos Mães Dinás do amor. Nem precisamos ser. Todas as vezes que tentei adivinhar sentimentos acabei sentindo coisas estranhas que, no fim, sempre se transformavam em medo. E esse é o problema. 

Quando estamos tomadas pelo medo, alimentamos falsas constatações e mergulhamos numa espécie de abismo imaginário criado por nossas próprias cabeças. A partir daí é que nasce a piração. Passamos de mulheres seguras a crianças carentes em um piscar de olhos. A namorada – que, antes, não só consentia o happy-hour como também o incentivava – passa a ter medo dos possíveis flertes vivenciados (ou melhor: imaginados) durante os pouquíssimos minutos gastos no botequim. Pior ainda se a mulher envolvida (e também imaginada) for a típica gostosona. E sempre é. Quando nos deixamos levar pela neura, todo olhar vira paquera e qualquer mulher passa a ser vista como ameaça... Distorções. Todas nós já tivemos.

Não sou psicóloga e estou longe de entender o comportamento humano, pior ainda se for o masculino, mas tenho a audácia de afirmar categoricamente que, na maioria das vezes, o problema está em nós. Passe a observar com mais frieza as ocasiões em que se sente insegura, repare nos momentos que antecedem as suas crises de ciúmes. Sempre que estou me arrumando pra sair me sinto frustrada por achar que nenhuma roupa me cai bem. Estou acima do peso e me sinto péssima por isso. A coisa piora quando chego na festa: ambiente lotado de mulheres com corpos esculturais e micro vestidos. Nessa hora, o óbvio acontece: se o namorado olhar pro lado, já era. Na nossa cabeça recheada de insegurança, temos certeza de que ele não só está olhando como está desejando outra pessoa. Você não só imagina como também acredita nisso e, nos próximos segundos, mesmo que seja o show mais esperado do ano, tudo perde a graça.

Durante toda nossa vida, escutamos que fomos feitas da costela do homem. Vivemos a ditadura do corpo perfeito. Cansamos de ouvir que existe uma dúzia de mulheres pra cada homem no mundo. Você não é a única. É natural sentir-se assim.
Torço para que você esteja lendo isso e pensando: “menina, vá se tratar!”. Mas, infelizmente, sei que a grande maioria se sentirá compreendida. Se você está no grupo da primeira opção, parabéns, você nasceu com uma alavanquinha chamada confiança, capaz de impulsionar qualquer relacionamento, principalmente o que você tem consigo mesma.

Caso se encaixe na segunda, serei obrigada a me alterar e dizer com todas as letras, em alto e bom tom, para que fique bem claro: AME-SE, MULHER! VISTA SEU AMOR PRÓPRIO E SAMBE NA CARA DA VIDA. Entenda de uma vez por todas que o buraco causado pela insegurança nunca será preenchido por outro amor que não seja o próprio. Mesmo que você seja dona do maior e mais puro amor do mundo, jamais se sentirá plena se não conseguir acreditar que VOCÊ NÃO SÓ É INCRÍVEL COMO TAMBÉM MERECE CADA PEDACINHO DISSO TUDO.




Pare de passar no perfil da ex e constatar que é mais bonita. Você não precisa de parâmetros para se amar. Você não está numa competição. Pare de passar no perfil da ex e constatar que ela é mil vezes melhor que você porque, se fosse, você estaria solteira e ela estaria no seu lugar. E você continua não estando em uma competição. Se deseja competir, que seja consigo mesma. Nossas maiores ameaças moram dentro de nós. O medo é um monstrinho feio que cresce a cada briga, e dificilmente terá peitos ou vestirá manequim 36. Que você entenda que ciúme não segura homem e, ainda que segurasse, você não precisaria dele porque é extraordinária o suficiente para fazer com que alguém permaneça ao seu lado simplesmente por você ser quem você é. Não importa se não é rica, se engordou vinte quilos ou se não tem peito de pomba: você é a soma de uma infinidade de coisas únicas.

Receba o amor que está à sua volta. Acredite ser capaz. Aceite merecê-lo. Substitua a insegurança pela coragem de se entregar por inteira. Você só perderá o medo do desconhecido no dia que topar conhecê-lo. E o mais importante: não diga que tem medo de amar quando o que você tem é, apenas, medo de olhar pra si mesma.
  • Comentários Facebook
  • 0 Comentários Blogger
COPYRIGHT © 2016 · Desvairadas · design BY egos